Avançar para o conteúdo principal

A família ou uma carreira? A Família


Para ser valioso é preciso ser útil. Muitos pensam que o seu valor depende do que têm, da sua carreira ou da posição social que ocupam.

A liberdade individual deve ser respeitada. Mas por mais irresponsável que alguém seja, cabe sempre a cada um arcar com as consequências das suas escolhas.
A família ou uma carreira? Para muitos não há opção. Alguns não têm família, outros estão desempregados. A maior parte tem de conjugar as duas, mas a verdade é que, desde há alguns anos, só em casos raros e passageiros se consegue um perfeito equilíbrio.
Família e carreira exigem tudo, cada uma para si, sem concederem grande espaço à outra. Trata-se de uma dupla exclusividade que é, por si só, um paradoxo: a simples coexistência da família e de uma carreira é já motivo de uma escolha impossível, porque a inevitável tentativa de conciliação é sinónimo de um duplo fracasso.
Quem trabalha e tem uma família vive com sacrifícios permanentes e culpas duradouras.
Outros têm uma família com vários problemas, que se agravam por falta de tempo ou atenção para cuidar deles. Tudo piora e torna-se cada vez mais cómodo estar longe… e piora ainda mais…
Para ser valioso é preciso ser útil. Muitos pensam que o seu valor depende do que têm, da sua carreira ou da posição social que ocupam. A esmagadora maioria de nós defende que nada há mais importante do que a família, porém depois apenas nos empenhamos a nível profissional, deixando a família para os tempos livres… ou, de forma ainda mais simples: para depois.
Talvez importe que cada um de nós pense bem na sua vida e nos objetivos a que se propõe, sem ingenuidades. A carreira é importante, mas apenas e só enquanto instrumento ao serviço de um outro fim.
A família exige tudo, quase sempre em troca de nada… mas só aí se pode ser feliz.
(ilustração de Carlos Ribeiro)

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.