Avançar para o conteúdo principal

Já não quero saber!

Cruzamos os braços. Pousamos as espadas que nos fazem ir à luta e sossegamos. Rendemo-nos. Abraçamos os dias por obrigação e damos casa à preguiça. Fazemos-lhe um jantar confortável e confortamo-la. Descansamos à sombra de conquistas antigas e contentamo-nos com o que vier e com o que houver. Fechamos as mãos.
Adiamos os momentos bons que prometemos arrancar à vida. Fechamos os olhos. A quem passa. A quem fica. A quem não tem nada. A quem tem tudo mas continua triste. A quem nos segurou a porta e nos deu a gentileza do dia. A quem partilha connosco os dias e as horas. A quem vemos dia sim, dia não. Vestimos a mesma roupa de viver todos os dias. Repetimos os gestos como quem lhes perdeu o rasto. Baixamos a cabeça como quem anda à procura de razões para se levantar. Aumentamos o volume do rádio e perdemo-nos nas palavras de quem não nos conhece. Abrimos as janelas poucas vezes. Por causa do ar condicionado. Ou porque nos condicionámos a um ar rarefeito e entristecido. Mesmo quando faz sol. Já não faz sol porque já não queremos saber. Rendemo-nos. Ao que esperam de nós. Ao que deixámos de esperar. Já não queremos saber. Chuva ou sol. Doce ou salgado. Céu azul ou tormenta. Paz ou guerra. Dor ou alegria. Dança ou inércia. Cheio ou vazio. Louco ou tranquilo. Sonho ou realidade. Verdadeiro ou falso. Bonito ou feio. Bom ou mau. Pouco interessa. Pouco importa. A pouco sabe. É a pouco que nos sabe a vida quando, perante o que nos acontece, a resposta é sempre a mesma: Já não quero saber.

Quem nos terá ensinado a não querer saber? Ninguém. Nós é que fomos obrigados a abandonar o recinto antes do combate acabar. Desistimos de insistir no que não muda nem passa. Ainda assim, vale a pena querer cheio. Querer sol. Querer tranquilidade. Querer paz. Querer alegria. Querer doce. Querer bonito. Querer o bom. Querer o Bem. Querer bem.

“Já não quero saber” é virar as costas ao que está para vir. E de costas voltadas não se vê o caminho. Lá à frente. Onde o trilho continua. Continuamos. Porque (ainda) queremos saber.

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.