Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2016

Rezar em Família no Natal - 1 DE JANEIRO À EPIFANIA

CONTEMPLAR A ALEGRIA DO EVANGELHO “Maria conservava todos estes acontecimentos e meditava-os em seu coração” ITINERÁRIO SIMBÓLICO Atitude mariana: Interioridade ABRIR A CASA À LUZ No início da oração acender a vela
ORAÇÃO P. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. R. Amém!
 P. Com Maria e José, oremos ao Senhor!
 R. Neste Natal, Ele nos dá a alegria do Seu amor!
P. Iniciámos um novo ano civil. No dia 1, Dia Mundial da Paz, invocámos a bênção divina e expressámos os nossos sonhos, em muitos votos, compromissos, desejos. O novo ano começou, como sempre, sob o olhar protetor da Mãe de Deus.
 Neste início de ano, queremos acolher em nossa casa, nas nossas famílias o desafio da Paz. Por isso devemos aprender a dizer muitas vezes, três palavras simples: «por favor», «obrigado» e «desculpa». O Evangelho do passado Domingo, dia 1, dizia-nos algo muito belo, a respeito do modo como a Mãe de Jesus vivia o seu dia a dia, atenta a tudo o que vivia e ouvia. Dizia assim São Lucas:

MENSAGEM DO SANTO PADRE FRANCISCO PARA A CELEBRAÇÃO DO 50.º DIA MUNDIAL DA PAZ

A não-violência: estilo de uma política para a paz
1. No início deste novo ano, formulo sinceros votos de paz aos povos e nações do mundo inteiro, aos chefes de Estado e de governo, bem como aos responsáveis das Comunidades Religiosas e das várias expressões da sociedade civil. Almejo paz a todo o homem, mulher, menino e menina, e rezo para que a imagem e semelhança de Deus em cada pessoa nos permitam reconhecer-nos mutuamente como dons sagrados com uma dignidade imensa. Sobretudo nas situações de conflito, respeitemos esta «dignidade mais profunda»[1]e façamos da não-violência ativa o nosso estilo de vida.

Esse desconhecido chamado JESUS

Resistindo à oposição dos mais próximos, Jesus tornou-se, de facto, um pregador itinerante...
Jesus permanece para nós um desconhecido, e em muitos sentidos. Ao pensar nele assalta-nos o mesmo desconcerto dos seus concidadãos que o viram largar, ali diante dos olhos de todos, o ofício de artesão que exercia e abraçar um ministério de ensinamento e sanação, para o qual não o consideravam qualificado. Ele era apenas um deles, naquela aldeia que não excederia os seiscentos habitantes, a maior parte ocupados no cultivo do trigo e da oliveira, outros de cerâmica para uso doméstico, outros ainda, como ele e a sua família, dependentes da carpintaria, atividade necessária à manutenção do povoado. Não reconheciam naquele conterrâneo alguém capaz de anunciar o Reinado de Deus e ainda menos de alargar a compreensão sobre as suas implicações históricas.

Um ano que termina… uma vida que se renova...

Mais um ano que termina…e o que é que mudou?A guerra é uma realidade dos nossos dias, o sofrimento continua a imperar num mundo que parece cada vez mais cruel, as populações são obrigadas a migrar, gerando uma devastação enorme e cruel, a corrupção mina e empobrece diversos países, a exploração e escravidão humana aumenta, a intolerância também cresce nas redes sociais e entre os jovens e, até, na nossa pacata sociedade esta está cada vez mais presente. Apesar da facilidade de acesso das pessoas à informação, da facilidade de comunicação entre elas e destas serem cada vez mais instruídas e provavelmente mais conscientes…, podemos elencar uma série de acontecimentos mundiais, anuais, diários e locais (só nossos), que nos desumanizam e nos distanciam da tolerância, da paz, da justiça, da solidariedade, do acolhimento, do amor e de todos os valores que se anseiam e sonham para todo o mundo e para toda a humanidade.Mas, visualizando todos os acontecimentos deste ano que fragilizaram a hum…

DE REPENTE...

De repente,
num instante fugaz,
os fogos de artifício anunciam que
o ano novo está presente e o ano velho ficou para trás.
De repente, num instante fugaz,
as taças de champanhe cruzam-se e o vinho francês borbulhante anuncia que o ano velho se foi e ano novo chegou.

Contemplar o Presépio e a Sagrada Família

Estes dias da oitava do Natal são algo de magnífico. Já passou o rebuliço das consoadas e o ano novo ainda se vem aproximando de mansinho. Se durante o Advento preparamos a chegada do Menino, na oitava podemos e devemos celebrar a Alegria e Graça de sentirmos que Deus se fez verdadeiro Homem, para melhor nos poder conduzir à salvação.
Desde pequeno que para mim os Natais não são verdadeiramente Natal sem que na família se faça uma encenação e reprodução do presépio. Temos a sorte de ser muitos primos, e de quase todos os anos haver um recém-nascido convocado para representar o papel de Menino Jesus. Sempre rodeado de Maria e José, de uma miríade de pastores (em regra os primos mais pequeninos) uma série de anjos (os primos em torno dos sete anos) e no final os três reis magos (sempre os primos que estão já a caminho da idade da ‘aborrecência’). Todos os anos a algazarra é muita, com os papéis a rodarem, com algum amuo porque se achava que nesse ano é que se era promovido de pastor a an…

Rezar em Família no Natal - NA OITAVA DO NATAL

CONTEMPLAR A ALEGRIA DO EVANGELHO “Era a luz verdadeira que ilumina todo o homem”
ITINERÁRIO SIMBÓLICO Atitude mariana: Interioridade
ABRIR A CASA À LUZ No início da oração acender a vela
ORAÇÃO P. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. R. Amém!
 P. Com Maria e José, oremos ao Senhor!
 R. Neste Natal, Ele nos dá a alegria do Seu amor!
P. Celebramos, em festa, com grande alegria, o nascimento de Jesus. É esse o convite que ressoa na noite de Natal, e que é dirigido, em primeiro lugar, a uns pastores, que pernoitavam nos campos, guardando os seus rebanhos durante a noite. O Anjo disse-lhes:
LEITURA BÍBLICA “Hoje, na cidade de David, nasceu-vos um Salvador, que é o Messias, Senhor. Isto vos servirá de sinal: encontrareis um menino envolto em panos e deitado numa manjedoura” (Lc 2,11-12).

Poema de Natal

Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.
Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.

Poemas de Natal

Natal Que nos trazes a não ser lágrimas cada vez mais,
natal eterno a nascer
de outros natais...
Ligeira esperança que toca
os nossos olhos molhados
e o sangue da nossa boca,
amordaçados...

Mensagem de NATAL do Papa Francisco: NATAL és tu, quando...

No Natal costuma haver muito barulho…
…Mas é necessário fazer silêncio para ouvir a voz do AMOR! NATAL és tu, quando te dispões, todos os dias, a nascer de novo deixando Deus entrar no teu coração! O PINHEIRO DE NATAL és tu, quando com a tua força e coragem resistes aos ventos e dificuldades da vida! AS DECORAÇÕES DE NATAL és tu, quando as tuas virtudes são cores que enfeitam a tua vida!

10 frases do papa Francisco sobre o Natal

O Natal está perto. Que tal viver mais intensamente o Natal e, nos cartões entregues a amigos e parentes, unir aos votos de boas festas belas frases que falem sobre o sentido mais profundo desse dia especial?
Dez frases do papa Francisco sobre o Natal.
1. “Em Jesus manifestou-se a graça, a misericórdia, a ternura do Pai: Jesus é o Amor feito carne. Não se trata apenas dum mestre de sabedoria, nem dum ideal para o qual tendemos e do qual sabemos estar inexoravelmente distantes, mas é o sentido da vida e da história que pôs a sua tenda no meio de nós.” (Homilia no Natal de 2013)

"Muitas pessoas estão a dar uma segunda oportunidade à Igreja"

É um dos grandes pensadores do Portugal contemporâneo e do lugar do catolicismo no mundo. Em entrevista ao PÚBLICO e à Rádio Renascença, José Tolentino Mendonça fala do Natal, do amor, da poesia e do papel do Papa Francisco na reinvenção do papel da Igreja. José Tolentino Mendonça não tem dúvidas: o Papa Francisco trouxe à Igreja Católica uma vitalidade que se julgava perdida e a prova disso são as muitas pessoas que se reconciliaram com a fé cristã. “Está a acontecer um pouco por todo o lado e como sinal, ao mesmo tempo, de uma cultura que volta a ter disponibilidade para ouvir aquilo quer julgava que já não queria ouvir mais.” A poucos dias do Natal falamos com o padre-poeta que gosta de construir pontes entre crentes e não-crentes, entre fé e pensamento.
Há um Natal de antigamente e um Natal dos dias de hoje?  As formas como vivemos o Natal não são indiferentes à História, até porque o cristianismo é uma religião vertiginosamente histórica. Há outras tradições religiosas para quem a H…

O Presépio em casa no Advento e no Natal

Papa Francisco explica por que é importante o presépio em casa no Advento e no Natal

Durante a Audiência Geral desta quarta-feira, o Papa Francisco explicou a importância de ter o presépio em casa, além da necessidade de contemplar cada um de seus elementos no tempo do Advento e no Natal, porque também nele podemos encontrar uma fonte de esperança. “Nas casas dos cristãos, durante o tempo do Advento, é preparado o presépio, segundo a tradição que remonta a São Francisco de Assis. Na sua simplicidade, o presépio transmite a esperança”, assinalou o Papa “Antes de tudo, notamos o lugar em que nasceu Jesus: Belém. Pequena aldeia da Judeia onde mil anos antes tinha nascido Davi, pequeno pastor eleito por Deus como rei de Israel”.

Papa Francisco 80 anos, 80 frases

Fé, sexualidade  ecologia e questões económicas e sociais. Recorde aqui as frases mais polémicas e mais consensuais, incluindo as que nem sabia que ele tinha pronunciado.
Esta Economia mata...
Evangelii Gaudium (EG), #53 Os direitos humanos não são apenas violados pelo terrorismo, repressão ou assassinato, mas também por estruturas económicas injustas, que criam enormes desigualdades.
Críticas ao governo argentino, em 2009, antes de ser eleito Papa Se uma pessoa é homossexual e procura Deus e tem boa vontade, quem sou eu para julgar? O Catecismo da Igreja explica isso muito bem. Diz que eles não devem ser discriminados, mas integrados na sociedade.

Rezar em Família no Advento - IV Domingo

4.ª SEMANA DO ADVENTO
CONTEMPLAR A ALEGRIA DO EVANGELHO “Será chamado ‘Emanuel’, que quer dizer ‘Deus connosco’”
ITINERÁRIO SIMBÓLICO Atitude mariana: Silêncio de intimidade
ORAÇÃO P. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. R. Amém!
 P. Com Maria e José, oremos ao Senhor!
 R. Neste Natal, Ele nos dê a alegria do Seu amor!
P. Nesta quarta semana do Advento, pensamos em Maria e José e nos preparativos para o nascimento de Jesus, em Belém, que significa precisamente «a Casa do Pão». Pensamos nas dificuldades de uma família pobre e simples. Pensamos nos casais mais novos, que estão a dar os primeiros passos na construção de uma família. Todos têm sonhos e dificuldades, como São José, o esposo da Virgem Maria. Diz o Evangelho, a respeito de um certo momento, em que São José não compreendia o que se estava a passar:

Oração de Consoada 2016

Maria, na Tua Casa,
 descobrimos a Casa de Esperança
 e da Alegria do Evangelho.
 A partir do Teu sim generoso,
 também nós dizemos:
 “Faça-se em mim segundo a Tua Palavra.”
José, nesta noite,
 ajuda-nos a tornar a nossa casa semelhante à Vossa,
 onde Jesus habita
 e sacia as nossas fomes de paz, justiça e alegria.

Dificilmente voltarei a gostar do Natal

Hoje não gosto do Natal, da correria, da preocupação, do enredo à volta de um presente, da ostentação, de quem vai dar ou receber o melhor, da pressa levada às lojas, do consumismo louco e sem regras
A minha avó contava-me que na véspera, quando já todos dormiam, metia dentro dos sapatos de cada uma das crianças um rebuçado, e que na manhã de Natal aquilo era de uma felicidade levada a extremos. Que faziam daquilo história para o ano todo, que depois daquela manhã eram todos mais felizes. Foi este o Natal que ela me passou, mesmo que eu o achasse fraco porque já tinha um Game Boy e carros telecomandados; mas apreciava o verdadeiro sentido das coisas, o gesto que enchia corações e os tornava felizes com tanto no meio de tão pouco.

Bênção para famílias "irregulares"

Senhor, que sondais e perscrutais os corações destes Vossos filhos e filhas, Vós que conheceis e alimentais os seus sonhos, e os amparais nos seus pesadelos:
Infundi neles a Vossa luz e sabedoria, para iluminarem, de esperança e confiança, as suas crises, angústias e dificuldades, e discernirem, na verdade e na caridade, com humildade e a ajuda da Igreja, os caminhos possíveis de resposta a Deus e de crescimento, no meio dos limites.

Para haver Natal este Natal

Talvez seja preciso reaprendermos Coisas tão simples!
Que as mãos preocupadas com embrulhos Esquecem outros gestos de amor, Que os votos rotineiros que trocamos Calam conversas que nos fariam melhor, Que os símbolos apenas se amontoam E soltam uma música triste Quando já não dizem aquela verdade profunda!

Maria na Família

DESEMBRULHAR O NATAL

Será que algum dia nos aproximaremos da dádiva genuína e desinteressada, da pura dádiva? E como é que isso se faz?
No frenesim de consumo que atropela dezembro, nesse labirinto de excesso, euforia e solidão em que a vida, como uma imposição, se torna, cada um de nós aprende, mesmo sem dizê-lo, alguma coisa sobre a dádiva. Ora, talvez o que nos custe mais neste insano tráfico pré-natalício seja, precisamente, a constatação dolorosa e inconfessada de que não sabemos ou não conseguimos dar. Ainda que as mãos se atulhem de embrulhos, sabemo-las no fundo vazias, atadas às suas posições invisíveis, incapazes de dar não o inútil, mas o que seria preciso, indisponíveis para a tarefa da reparação da vida, equivocadas em relação à verdadeira carência ou ao diagnóstico que fazem da escassez e da lacuna.

Rezar em Família no Advento - III Domingo

3.ª SEMANA DO ADVENTO
CONTEMPLAR A ALEGRIA DO EVANGELHO “Ide contar o que vedes e ouvis”
ITINERÁRIO SIMBÓLICO Atitude mariana: Silêncio alegre
ORAÇÃO P. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. R. Amém!
 P. Com Maria e José, oremos ao Senhor! R. Neste Natal, Ele nos dê a alegria do Seu amor!
P. Nesta terceira semana do Advento, recordamos que a família é comparável a uma árvore que, tal como o amor, deve sempre dar fruto e acolher os seus que procuram abrigo. Os lhos são o “rebento” mais esperado e são “o fruto” mais bendito de um casal e de uma família feliz. E se o casal não recebe a alegria desse fruto, pode ajudar tantas crianças e outras famílias e outras pessoas a viverem mais felizes. Quando Isabel recebeu a visita de sua prima, que também estava grávida, diz o Evangelho que ela exclamou:
LEITURA BÍBLICA “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre” (Lc 1,42).
P. E quando foi anunciado a José o nascimento do Menino, também lhe foi dito:
LEITURA BÍBLICA…